top of page

Brain Energy fornecerá energia renovável para shoppings no Brasil


O projeto O Energy for Mobility prevê uma reserva de 50 MW de energia eólica para projetos geridos pela Indigo, o que reduzirá as tarifas de eletricidade em mais 25% em alguns casos.


Buscando expandir suas operações com o mercado de energia elétrica, a Brain Energy assinou um contrato com a Indigo e fornecerá energia eólica para atender a demanda de energia de shopping centers em todo o país. Atualmente, a empresa é responsável pela administração dos estacionamentos de aproximadamente 200 projetos, configurando um mercado potencial para a implantação do projeto, que prevê uma reserva de 50 MW.


"A energia é um dos maiores custos e o que mais cresce em um shopping. O Energy for Mobility é um modelo de aplicação que visa reduzir drasticamente o investimento em parques eólicos, o que também é importante porque é uma fonte sustentável", afirmou. Fernando Stein, CEO da Indigo no Brasil.


As energias renováveis ​​serão geradas a partir de um conjunto de seis parques eólicos no Complexo de Capão Alto, construído para o distrito de Tapes, no Rio Grande do Sul, e com capacidade prevista de 239 MW. Dependendo do prazo do projeto, a redução na conta de energia pode chegar a mais de 25% quando comparada aos valores praticados pelo mercado livre. Os recursos para a construção dos parques eólicos, de 10 MW a 30 MW, serão viabilizados pela própria Indigo, que irá amortizar o mesmo durante o contrato com o shopping center.


Segundo Daniel Andrade, sócio fundador da Brain Energy, a idéia é fornecer estabilidade tarifária para projetos de longo prazo, com a empresa assumindo todas as etapas de transmissão e submarketing, levando energia para a porta do consumidor, que sofreu variabilidade nas tarifas mesmo no mercado livre devido aos baixos níveis atuais dos reservatórios do país, onde a energia de reserva está sendo despachada.


"O primeiro benefício para os shoppings é ter planejamento de energia, conhecendo suas taxas para os próximos 15 ou 20 anos, saindo da montanha-russa que virou o mercado de energia no Brasil. Então há segurança energética, com um parque eólico totalmente exclusivo em a eliminação ", comentou Daniel, assegurando que a empresa não venderia energia excedente.


Esse processo de migração está mostrando muita evolução no país, com os consumidores saindo dos mercados regulados e cativos. Segundo o executivo, o momento ainda é muita energia, devido à crise que continua no país, "que ainda tem capacidade de geração para o momento de recuperação da economia", prevê.


Expansão do mercado e investimentos


Criada em 2012, a Brain Energy tem investido seus esforços na busca por novos clientes e parcerias dentro da área de renováveis, acessando diretamente todo o mercado de eletrointensivos de consumo no Brasil, especialmente com o segmento de varejo. "Estamos muito perto de assinar o primeiro PPA de longo prazo com um grande grupo nacional, talvez nos próximos meses possamos ouvir sobre essa parceria, com um contrato de 20 anos no mercado livre", disse Daniel Andrade.


Atualmente, o foco da empresa está no desenvolvimento dos parques no Rio Grande do Sul, que inicialmente terão 1,7 GW, onde está incluído o complexo do Capão Alto. Segundo o executivo, o próximo passo será uma sequência de 900 MW, que totalizará 2,6 GW em cinco anos. "Temos uma área muito grande na região de Rio Grande (RS) e temos a expansão da região de Tapes por mais 400 MW. A intenção é realizar todos os projetos focados no mercado livre dentro de cinco anos", comentou.


Quanto ao relacionamento com os consumidores, o executivo enfatiza que sua percepção do pensamento de longo prazo os ajuda a entender melhor os ganhos e benefícios desses contratos de energia. "Este cliente que está prestes a fechar com a gente vem enfrentando sérios problemas anualmente em seu orçamento, tendo fechado as contas em vermelho nos últimos quatro anos. Os contratos são de curto prazo e isso se quebra em termos de planejamento estratégico: crescimento , expansão e outras operações no setor ", disse Daniel Andrade.

Comments


bottom of page